Avançar para o conteúdo principal

Mar di Canal - Ilha de Sto Antão




No porto de S. Vicente aglomeram-se as pessoas prontas para mais uma travessia do mar di Canal. O Atlântico não brinca em dias de ventania mas hoje, o mar anuncia uma especial viagem de altos e baixos. O barco Ribeira do Paúl, com capacidade para 160 passageiros, recebe os de hoje através de uma escada ondulante ligada ao cais. Começa a viagem até S. Antão, o barco distancia-se da terra com a ligeireza de uma tartaruga, pequena face ao oceano, robusta face aos golpes da viagem marítima. No mar di canal a história de naufrágios é tão longa como a memória de aqui viver.
O Ilhéu dos Pássaros, uma rocha plantada no meio do canal, faz as vezes de bússola, depois dele são uns 40 minutos a navegar com dois territórios insulares à vista, mas estranhamente distantes devido à força das correntes.
S. Antão é a última (ou a primeira) das ilhas do grupo do Barlavento. S. Vicente sempre a usou de celeiro. Por sua vez, de S. Antão imigra-se para a cidade do Mindelo, em busca cultural e comercial.
Existe uma atmosfera descontraída entre os locais, os cabo-verdianos- santantonenses ou saovicentinos - fazem mais uma viagem de ilha para ilha, carregam sacos agrícolas e algumas cestas. Bananas, papaias, feijão, milho, fruta-pão, garrafões de grogue e até molhes atafulhados de cana-de açúcar, tudo encravado debaixo dos bancos, a forma de não rebolarem pelo convés quando chegarem as investidas das ondas.
As ondas surgem a bombordo e a estibordo, sincronizadas, fazendo do barco um baloiço, ora para um lado ora para o outro, num movimento inacabado de centrifugação.
Os rostos ficam visivelmente mais tensos, mas nada que alguns vómitos sonoros não aproveitem para aliviar. O oceano, esse vai espalhando ar fresco e baleado de gotas de água, só ele e o comandante do barco participam da quantidade de direcções daquelas correntes.
Porto Novo aparece desértica. É a cidade-porta, recente e esbranquiçada. No cais já está instalado o furor da chegada diária do Ribeira de Paúl. Existe outro transporte, uma grande embarcação que faz esta travessia, mas é usado por pessoas mais endinheiradas e turistas.
- Ponta do sol! Ribeira Grande!!! - E os demais destinos são gritados pelos motoristas. Aparentemente todas as pessoas se conhecem. É um meio pequeno e as viagens já estão quase todas combinadas.
O motor da “Hiáce”, como eles dizem, um Toyota de nove lugares, arranca subindo lentamente até ao sopé da montanha, parando algumas vezes para recolher passageiros. Rostos negros e mulatos encostam-se confortavelmente aos vidros das janelas, deixando-se embalar pela estrada empedrada.

O Vale do Paúl, chega duas horas depois e já deixou para trás uma viagem de uma ponta à outra da ilha. O troço final até Vila das Pombas são alguns quilómetros de via marginal sempre a contornar o Atlântico. A estátua de S. Antão (S. António em língua Crioula) agarra o menino e não tira os olhos do oceano. Já cheira a Brasil…
Existe movimentação na vila, a maior de todo o Vale, as crianças vão para a escola de bata azul, aparentemente satisfeitas.
A origem vulcânica está presente na paisagem e entre as pessoas reina a tranquilidade de quem já viu a tempestade passar. As primeiras árvores plantadas a partir dos anos vinte do século passado, vieram da Serra da Estrela e com elas, também a metrópole enviou técnicos especialistas em implementação da agricultura com a missão de tornar estes vales e picos a rondar os dois mil metros em terrenos produzíveis. Pinheiros, eucaliptos, grevílias, ciprestes e até algumas figueiras, entre outras espécies autóctones, compõem a família florestal. Esta, entre as dez do arquipélago, é das poucas ilhas onde ainda chove, praticamente todos os anos.

Comentários

  1. Que ilha maravilhosa!! gostei muito e espero repetir!!

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Perahera - encontrar o maior festival do Sri Lanka

SEE BELOW FOR THE ENGLISH VERSION


Perahera Em Kandy é considerado o maior espectáculo e demonstração cultural do país, mas a versão indiscutivelmente menor que me tocou na zona de Aluthgama (talvez um vigésimo da sua dimensão)já deixa uma bela impressão. Sendo um festival budista que celebra o primeiro ensinamento de Buda depois da Iluminação, exibe em procissão uma das suas relíquias. Relaciona-se também com uma outra procissão em tempos considerada essencial para chamar a chuva. Os primeiros rapazes trazem longas cordas castanhas, são chicotes mas mais fazem lembrar um peludo animal comprido. A forma como o projectam no ar produz um som tremendo - sem nos bater, o som chicoteia. Uma vez que não guardam grande distância entre si, não é compreensível como conseguem não se maltratar uns aos outros ou mesmo a assistência acotovelando-se para os ver. Depois desta abertura surge o primeiro elefante. Vestem-no com uma indumentária carregada de electricidade, com luzes ocupando toda a sua cab…

A Cratera de Pinatubo - Filipinas

(English version below)
A subida à cratera Pinatubo consistiu em duas partes perfeitamente distintas.
Fizemo-nos à estrada ainda de noite, às cinco. Montados no jipe, aguardava-me a viagem mais dura num 4x4 de que tenho memória.
Deixa-se o alcatrão e as facilidades da vila de Botolan para se mergulhar numa extensão de areia cinzenta. O veículo cambaleava, e com ele os corpos, como bonecos. Logo de seguida, sem aviso, o piso torna-se tão pedregoso que é como se os pneus nos bombardeassem.
Ora bem, até aqui, foi divertido.
Chegou o rio, muito largo mas com pouca profundidade. Uns aldeões acabavam de o atravessar com um potente búfalo e carroça. O condutor pediu-lhes instruções – garantindo-nos portanto que ele não tinha certeza do que fazia. A ofensiva ao rio aconteceu a alta velocidade. Água espirrou por todo o lado, para dentro do jipe e das nossas coisas, mas isso por enquanto são tudo danos colaterais.
Quando, em terra firme, a velocidade aumentou, todos os passageiros deram um sal…

Ser indiana num país como a Índia

Arambol é uma praia no norte de Goa onde confluem pessoas do mundo inteiro. Nos últimos tempos a procura é maioritariamente russa, o que tem trazido uma fama diferente a Goa, nunca a melhorar, devido a desacatos e episódios violentos.Aqui, de dia e de noite, as pessoas passeiam-se sem pressas, parece um parque de diversões para personagens inverosímeis. O mexicano com problemas de álcool, o jovem casal português do Cacém que depois de ter emigrado 10 anos em Inglaterra, decididos a voltar a Lisboa, deixam-se ficar mês e meio para evitar o Inverno, o consultor de imagem de um importante político russo que faz oposição a Putin, um casal de ingleses acima dos 50 que se perdeu no tempo e nas drogas, a sueca atraente e atiradiça que se divorciou há menos de um ano e não esconde que procura sexo ocasional, uma jovem grávida de seis meses com o seu companheiro, ambos nórdicos, sem medo de nada, ou o argentino atormentado, arquitecto de hospitais, que anda há ano e meio a viajar porque carreg…