Avançar para o conteúdo principal

Com Bana, em Santiago



Ilha de Santiago
Saímos do aeroporto de Lisboa às 15h. O moço que nos acompanha faz-me um sinal estranho. Pergunto-lhe em voz alta qual a sua dúvida.
Ele questiona timidamente:
- É o Bana não é? - Bana ri-se. Confirmo.
É assim todo o caminho. As hospedeiras do avião da companhia aérea, bem como os outros passageiros fazem uma expressão de surpresa quando o vêem.
Cabo Verde surge no horizonte como um conjunto de luzes navegando no oceano. O clima em Santiago está muito quente e húmido, promete uma boa chuvada para breve.
No dia seguinte tenho a oportunidade de conhecer Kim Alves, a quando da sua visita ao cantor Bana. Tenho curiosidade porque, além de conhecer algum do seu trabalho, é o único músico com quem Bana quer actuar, aqui nesta ilha. Capricho ou rigor? Não sei. O que é certo é que Kim Alves toca quase todos os instrumentos que há no mundo e construiu um estúdio em Santiago, apostando na valorização da música nacional.
Noto também nele o disfarce da idade. É impressionante como quase todos os cabo-verdianos aparentam menos dez ou quinze anos. Se fosse em Portugal, cometeria várias inconveniências usando o tratamento por “tu”, equivocada com a idade que parece tão próxima da minha. Mas aqui normalmente reina a descontracção. As ilhas são pequenas mas as idas e vindas que a vida de emigrado obriga, torna preciosos estes momentos, estes encontros. Lá fora chove muito. As pessoas resguardam-se, as estradas tornam-se menos transitáveis mas tudo isso terá uma grande vantagem…O interior vai ficar verdejante, nos dias seguintes vai ser uma verdadeira explosão de clorofila para os olhos.
A apresentação do livro está marcada para as 18h30 e embora não se encha a biblioteca, está patente nos olhos o interesse sincero dos que nos escutam. O Sr. Ministro chega atrasado, mas senta-se na primeira fila e participa com contido orgulho. Estão na plateia figuras que ouvi falar ao longo de todas as histórias que escutei ao escrever a biografia do Bana: Tututa, Ramiro Mendes, Kim Alves, Príncipe, além do Sr. Embaixador de Cabo Verde em Lisboa, incentivador desta obra desde que o contactámos.

Raia novo dia , vou ter a oportunidade de conhecer o interior montanhoso e imedível de Santiago. Estou acompanhada de Príncipe e Chico Serra, famoso pianista que não passa por Santiago sem ir à Assomada, comprar as melhores linguiças que se fazem no país, disseram-me. Pelo caminho - montes e vales, pequenas aldeias e gente percorrendo trilhos com enxadas nas mãos e obrigações por cumprir nos passos em qualquer direcção. Lembro-me dos primórdios desta terra, lembro-me de tantos escravos que deverão ter fugido para o interior destas montanhas assim que houvesse uma oportunidade. Imagino como seria estar numa ilha, refugiado nas montanhas, sem poder daqui sair, mas ao mesmo tempo em liberdade. Ser badiu, naqueles tempos, devia ser um estranho sentimento.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Perahera - encontrar o maior festival do Sri Lanka

SEE BELOW FOR THE ENGLISH VERSION


Perahera Em Kandy é considerado o maior espectáculo e demonstração cultural do país, mas a versão indiscutivelmente menor que me tocou na zona de Aluthgama (talvez um vigésimo da sua dimensão)já deixa uma bela impressão. Sendo um festival budista que celebra o primeiro ensinamento de Buda depois da Iluminação, exibe em procissão uma das suas relíquias. Relaciona-se também com uma outra procissão em tempos considerada essencial para chamar a chuva. Os primeiros rapazes trazem longas cordas castanhas, são chicotes mas mais fazem lembrar um peludo animal comprido. A forma como o projectam no ar produz um som tremendo - sem nos bater, o som chicoteia. Uma vez que não guardam grande distância entre si, não é compreensível como conseguem não se maltratar uns aos outros ou mesmo a assistência acotovelando-se para os ver. Depois desta abertura surge o primeiro elefante. Vestem-no com uma indumentária carregada de electricidade, com luzes ocupando toda a sua cab…

A Cratera de Pinatubo - Filipinas

(English version below)
A subida à cratera Pinatubo consistiu em duas partes perfeitamente distintas.
Fizemo-nos à estrada ainda de noite, às cinco. Montados no jipe, aguardava-me a viagem mais dura num 4x4 de que tenho memória.
Deixa-se o alcatrão e as facilidades da vila de Botolan para se mergulhar numa extensão de areia cinzenta. O veículo cambaleava, e com ele os corpos, como bonecos. Logo de seguida, sem aviso, o piso torna-se tão pedregoso que é como se os pneus nos bombardeassem.
Ora bem, até aqui, foi divertido.
Chegou o rio, muito largo mas com pouca profundidade. Uns aldeões acabavam de o atravessar com um potente búfalo e carroça. O condutor pediu-lhes instruções – garantindo-nos portanto que ele não tinha certeza do que fazia. A ofensiva ao rio aconteceu a alta velocidade. Água espirrou por todo o lado, para dentro do jipe e das nossas coisas, mas isso por enquanto são tudo danos colaterais.
Quando, em terra firme, a velocidade aumentou, todos os passageiros deram um sal…

Ser indiana num país como a Índia

Arambol é uma praia no norte de Goa onde confluem pessoas do mundo inteiro. Nos últimos tempos a procura é maioritariamente russa, o que tem trazido uma fama diferente a Goa, nunca a melhorar, devido a desacatos e episódios violentos.Aqui, de dia e de noite, as pessoas passeiam-se sem pressas, parece um parque de diversões para personagens inverosímeis. O mexicano com problemas de álcool, o jovem casal português do Cacém que depois de ter emigrado 10 anos em Inglaterra, decididos a voltar a Lisboa, deixam-se ficar mês e meio para evitar o Inverno, o consultor de imagem de um importante político russo que faz oposição a Putin, um casal de ingleses acima dos 50 que se perdeu no tempo e nas drogas, a sueca atraente e atiradiça que se divorciou há menos de um ano e não esconde que procura sexo ocasional, uma jovem grávida de seis meses com o seu companheiro, ambos nórdicos, sem medo de nada, ou o argentino atormentado, arquitecto de hospitais, que anda há ano e meio a viajar porque carreg…