Avançar para o conteúdo principal

Carrasqueira










Caminhar por cima da ria

Não é mar nem é firme. Não é rio nem é pântano. É a ria no Estuário do Sado, que sobe e desce com o desejo das marés. Os pescadores, quando a água foge, saem com os seus barcos empurrados ao longo dos canais, à força da vara, qualquer semelhança com gondoleiros é pura coincidência.
D. Isabel Maria chega de uma tarde afortunada. Esta ria dá o pão a muitas pessoas: da apanha pode-se voltar com um balde cheio de amêijoas, canivetes, polvos, raia…
O seu sorriso para a fotografia é igual ao que largou quando pôs os pés no Porto Palafita, abandonando o barco que o marido ficou a atracar.
Há uns anos ainda pensou em abandonar a arte, já tinha feito cinquenta anos e nessa altura até foi integrada num curso onde lhe ensinavam o novo ofício - saber armar arranjos de flores secas.
Quando é interrogada sobre a idade deste Porto Palafita, necessita de fazer algumas contas com a memória:
- Pois isto já tem para lá de muitos anos, foi na altura que a Catarina Furtado aterrou cá de helicóptero, lembra-se?
Não fica satisfeita com a resposta mas não se acanha:
-Ora, já foi no tempo em que o Sampaio visitou a Carrasqueira.
De facto, este porto já tem mais de 20 anos e assenta numa precária e labiríntica estrutura de estacas de madeira, enterradas no lodo do sapal que progride ria adentro.
Foi construída pelos órgãos camarários para atrair turismo. Faz sentido, o sítio é inspirador.
D. Isabel construiu a sua parte também, era ali junto ao arrozal. Quando teve oportunidade de escolher entre esta e outra profissão disse a si mesma:
- Mas que quero eu mais da vida?
E ficou pelas estacas, pregos e ria. A reforma não vinha longe e não lhe apetecia abandonar a embarcação.
O marido não é tão optimista, diz que a ria está toda “rapada”, que já não deixam crescer os bichos o tempo que a natureza lhes pede. E como quem confessa apenas meia verdade de um segredo, ainda acrescenta:
- Eu pus umas amêijoas pequenitas num sítio que eu cá sei e já lá hei-de voltar, dêem-lhes tempo…
O arrozal alagado está quieto, embora o cereal cresça a olhos vistos. Os barcos baloiçam muito suavemente que hoje não há vento.















Comentários

  1. É Portugal, desconhecido para alguns, no seu melhor.

    ResponderEliminar
  2. Não vou mentir. Li pela primeira algo seu hoje, na revista que acompanha o JN. Fiquei muito agradado, para não dizer mais. Continue a brindar-nos com a sua escrita.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Perahera - encontrar o maior festival do Sri Lanka

SEE BELOW FOR THE ENGLISH VERSION


Perahera Em Kandy é considerado o maior espectáculo e demonstração cultural do país, mas a versão indiscutivelmente menor que me tocou na zona de Aluthgama (talvez um vigésimo da sua dimensão)já deixa uma bela impressão. Sendo um festival budista que celebra o primeiro ensinamento de Buda depois da Iluminação, exibe em procissão uma das suas relíquias. Relaciona-se também com uma outra procissão em tempos considerada essencial para chamar a chuva. Os primeiros rapazes trazem longas cordas castanhas, são chicotes mas mais fazem lembrar um peludo animal comprido. A forma como o projectam no ar produz um som tremendo - sem nos bater, o som chicoteia. Uma vez que não guardam grande distância entre si, não é compreensível como conseguem não se maltratar uns aos outros ou mesmo a assistência acotovelando-se para os ver. Depois desta abertura surge o primeiro elefante. Vestem-no com uma indumentária carregada de electricidade, com luzes ocupando toda a sua cab…

A Cratera de Pinatubo - Filipinas

(English version below)
A subida à cratera Pinatubo consistiu em duas partes perfeitamente distintas.
Fizemo-nos à estrada ainda de noite, às cinco. Montados no jipe, aguardava-me a viagem mais dura num 4x4 de que tenho memória.
Deixa-se o alcatrão e as facilidades da vila de Botolan para se mergulhar numa extensão de areia cinzenta. O veículo cambaleava, e com ele os corpos, como bonecos. Logo de seguida, sem aviso, o piso torna-se tão pedregoso que é como se os pneus nos bombardeassem.
Ora bem, até aqui, foi divertido.
Chegou o rio, muito largo mas com pouca profundidade. Uns aldeões acabavam de o atravessar com um potente búfalo e carroça. O condutor pediu-lhes instruções – garantindo-nos portanto que ele não tinha certeza do que fazia. A ofensiva ao rio aconteceu a alta velocidade. Água espirrou por todo o lado, para dentro do jipe e das nossas coisas, mas isso por enquanto são tudo danos colaterais.
Quando, em terra firme, a velocidade aumentou, todos os passageiros deram um sal…

Ser indiana num país como a Índia

Arambol é uma praia no norte de Goa onde confluem pessoas do mundo inteiro. Nos últimos tempos a procura é maioritariamente russa, o que tem trazido uma fama diferente a Goa, nunca a melhorar, devido a desacatos e episódios violentos.Aqui, de dia e de noite, as pessoas passeiam-se sem pressas, parece um parque de diversões para personagens inverosímeis. O mexicano com problemas de álcool, o jovem casal português do Cacém que depois de ter emigrado 10 anos em Inglaterra, decididos a voltar a Lisboa, deixam-se ficar mês e meio para evitar o Inverno, o consultor de imagem de um importante político russo que faz oposição a Putin, um casal de ingleses acima dos 50 que se perdeu no tempo e nas drogas, a sueca atraente e atiradiça que se divorciou há menos de um ano e não esconde que procura sexo ocasional, uma jovem grávida de seis meses com o seu companheiro, ambos nórdicos, sem medo de nada, ou o argentino atormentado, arquitecto de hospitais, que anda há ano e meio a viajar porque carreg…