Avançar para o conteúdo principal

Ilha da Madeira

Enfrento a Madeira, porque as suas escarpas não se percorrem nem dominam, torneiam-se. A costa norte é clivosa, tão inclinada como o inferno, tão bela como a floresta que resiste aos aluviões. Dei comigo no Jardim do Mar, localidade encantada, com uma calçada minuciosa e povoada de ar puro. Gente que vai às lapas antes do almoço. É aqui, logo abaixo, que encontro um dos maiores disparates da Madeira. Ao longo da orla do Jardim do Mar houve uma intervenção absurda que revolta os locais e todos os de bom senso. Construíram uma promenade, como aqui lhe chamam, um passeio pedestre ao longo do mar. Nada teria de mal, nada teria de ilógico, se não tivesse acabado, praticamente, com uma das melhores ondas da ilha, como corria a fama “ O Havai da Europa”. A verdade é que o turismo que movimenta os praticantes desta modalidade é uma fonte de desenvolvimento para as localidades, ainda por cima, identificado com o bem-estar ecológico. A onda já não existe e a promenade está vazia. Quem lucrou com isto? Como diria Aristóteles: só existe um bem, o conhecimento; só existe um mal, a ignorância. Subo ao lindíssimo edifício Casa das Mudas, do arquitecto Paulo David; exemplo do que a engenharia bem garantida pela boa arquitectura consegue enriquecer e projectar a paisagem. Dali entro nas mil curvas e curvetas dos montes pela estrada regional até chegar a Porto Moniz. A costa Norte é desafiante. Mais à frente, o Seixal mostra as suas águas límpidas, o fundo não é um segredo. As altas encostas devem ser vaidosas porque espreitam o espelho do mar, continuamente se inclinam sobre o seu reflexo. Túneis furam as serras com claustrofobia dentro. Levam-nos de um lado ao outro da ilha, quase. Há momentos em que o túnel se evapora e reaparece a luz do dia. É o vale. Reentra-se de novo nos subterrâneos, abandonando-se momentaneamente a condição sublunar, até que a luz se abra de novo e tal como Zarco e Tristão, suspire-se: “Terra à vista”. Aviso à navegação No Funchal há um grito que arrepia, o eco do apito dos barcos. São estes pavilhões flutuantes que animam a economia da ilha, nesta fase em que os aviões que aqui pousam estão em decréscimo. O apito dos enormes barcos ressoa pela cidade em ronco gutural que o anfiteatro devolve ao mesmo tempo que todos os sons da cidade são engolidos. Uma das primeiras vezes que ouvi este som encontrava-me numa livraria impressionante. Dizem que o seu dono tem o anseio de ter a maior livraria o mundo. O nome é concordante – Livraria Esperança. Ao contrário do habitual posicionamento dos livros, alinhados por lombadas, aqui estão dispostos com a capa de frente para os leitores em estantes sucessivas forradas centímetro a centímetro. Mesmo nas estantes de lado podem observar-se, pois cada livro é pendurado com um gancho. Há-os no tecto. Há-os no chão, em janelas a serem comidos pelo sol enquanto vêem as vistas. Cada um fala mais alto que o outro, mesmo que nenhum levante mais o tom do que um sussurro. Quis ler tudo ao mesmo tempo, peguei em mais de 40 exemplares, à vez. Inúmeros autores desconhecidos, centenas de autores amados e revisitados. Milhares de autores perdidos. O primeiro que agarrei foi uma encomenda de um colaborador do Jornal de Letras que só aqui conseguiu encontrar um exemplar. Comprei ainda Eusébio Macário, de Camilo Castelo Banco, Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector, Histórias do Bom Deus de Rainer Maria Rilke e uma edição recente, chancela Quetzal, A Anatomia da Errância, do meu herói Bruce Chatwin. No Jardim Botânico fingi que o Funchal era a minha cosmopolita quinta florida. Entretenho-me com a escolha de qual começar primeiro enquanto as quentes pedras de basalto onde me sentava recarregavam a energia. Considerações de aeroporto Levo na mala um festival literário e uma série de amigos recentes. São notáveis estes madeirenses que conheci. Em todos encontrei essa necessidade de não me deixarem partir sem perceber o que tem afinal esta ilha de magnético. A poncha é boa é certo (uma perdição), as montanhas imponentes, tudo bem, as Levadas são experiências inesquecíveis, o mar é sincero e o Funchal um teatro que representa bem a peça. Mas o que a Madeira tem que me fará cá voltar é a enorme vontade com que esconde os seus segredos. O truque deste impressionante mundo atlântico é ir e estar nos sítios certos, com pessoas que tenham vontade de ser continentes e não ilhéus. Tive essa sorte.

Comentários

  1. Eu gosto de ler o mundo a viajar, mas sou um aprendiz, tanto da vida, como das viagens. Esta narrativa tem alma, faz lembrar Brandão, embora saiba que a passagem foi curto para sorver a essência. No entanto, deliciei-me. A propósito do festival literário do funchal, que assisti, é no seu decurso que me felicito por tê-la descoberto, sobretudo pela literatura de viagens (a outra não conheço). Adorei! Para mim, leitor, seria uma dádiva ir viajando, lendo-a. Parece tão simples, mas o alcance do que escreve, com a riqueza de figuras de estilo...ui, que maravilha! Parabéns! :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Perahera - encontrar o maior festival do Sri Lanka

SEE BELOW FOR THE ENGLISH VERSION


Perahera Em Kandy é considerado o maior espectáculo e demonstração cultural do país, mas a versão indiscutivelmente menor que me tocou na zona de Aluthgama (talvez um vigésimo da sua dimensão)já deixa uma bela impressão. Sendo um festival budista que celebra o primeiro ensinamento de Buda depois da Iluminação, exibe em procissão uma das suas relíquias. Relaciona-se também com uma outra procissão em tempos considerada essencial para chamar a chuva. Os primeiros rapazes trazem longas cordas castanhas, são chicotes mas mais fazem lembrar um peludo animal comprido. A forma como o projectam no ar produz um som tremendo - sem nos bater, o som chicoteia. Uma vez que não guardam grande distância entre si, não é compreensível como conseguem não se maltratar uns aos outros ou mesmo a assistência acotovelando-se para os ver. Depois desta abertura surge o primeiro elefante. Vestem-no com uma indumentária carregada de electricidade, com luzes ocupando toda a sua cab…

A Cratera de Pinatubo - Filipinas

(English version below)
A subida à cratera Pinatubo consistiu em duas partes perfeitamente distintas.
Fizemo-nos à estrada ainda de noite, às cinco. Montados no jipe, aguardava-me a viagem mais dura num 4x4 de que tenho memória.
Deixa-se o alcatrão e as facilidades da vila de Botolan para se mergulhar numa extensão de areia cinzenta. O veículo cambaleava, e com ele os corpos, como bonecos. Logo de seguida, sem aviso, o piso torna-se tão pedregoso que é como se os pneus nos bombardeassem.
Ora bem, até aqui, foi divertido.
Chegou o rio, muito largo mas com pouca profundidade. Uns aldeões acabavam de o atravessar com um potente búfalo e carroça. O condutor pediu-lhes instruções – garantindo-nos portanto que ele não tinha certeza do que fazia. A ofensiva ao rio aconteceu a alta velocidade. Água espirrou por todo o lado, para dentro do jipe e das nossas coisas, mas isso por enquanto são tudo danos colaterais.
Quando, em terra firme, a velocidade aumentou, todos os passageiros deram um sal…

Ser indiana num país como a Índia

Arambol é uma praia no norte de Goa onde confluem pessoas do mundo inteiro. Nos últimos tempos a procura é maioritariamente russa, o que tem trazido uma fama diferente a Goa, nunca a melhorar, devido a desacatos e episódios violentos.Aqui, de dia e de noite, as pessoas passeiam-se sem pressas, parece um parque de diversões para personagens inverosímeis. O mexicano com problemas de álcool, o jovem casal português do Cacém que depois de ter emigrado 10 anos em Inglaterra, decididos a voltar a Lisboa, deixam-se ficar mês e meio para evitar o Inverno, o consultor de imagem de um importante político russo que faz oposição a Putin, um casal de ingleses acima dos 50 que se perdeu no tempo e nas drogas, a sueca atraente e atiradiça que se divorciou há menos de um ano e não esconde que procura sexo ocasional, uma jovem grávida de seis meses com o seu companheiro, ambos nórdicos, sem medo de nada, ou o argentino atormentado, arquitecto de hospitais, que anda há ano e meio a viajar porque carreg…