Avançar para o conteúdo principal

ÍNDIA 2012







Conheço a Índia há 10 anos.
De 2001 para 2011 noto a Índia bem diferente (como se isto fosse um país homogéneo e não uma aglomeração de 26 países, portanto Estados, diferentes) na sua sempre surpreendente condição.
A classe média cresceu, há tantos carros que não andavam por aqui da última vez (2007). A classe pobre também.
Como há imensos novos milhões de pessoas, o trânsito já roça a guerra , o som das buzinas é constante, metódico, desagradável, invasivo. Habituamo-nos claro, tolera-se, mas estas estradas sem sinais de trânsito (não é uma hipérbole) são dominadas por quem apita mais, mais alto e ininterruptamente.
A pobreza é cada vez mais chocante, sobretudo nas grandes cidades, mas é-o em todo o lado, pois o que eram cidades pequenas há uns anos, tornaram-se aglomerados assustadores neste momento. Crianças libertam as suas fezes doentes na linha, antes que o comboio chegue. Pessoas com cotos em vez de braços ou pernas, calcinados de tão negros.
Nos subúrbios de Delhi vêm-se burros cabisbaixos a carregarem esterco de latrinas que é necessário desentupir e mulheres a guiarem-nos pela linha férrea, tão desesperançadas quanto os animais. Vêm-se crianças com irmãos bebés ao colo, a recolherem comida no meio das lixeiras, como se fosse uma horta ou um pomar. As lixeiras estão em todo o lado para onde quer que se olhe. Não há recolha de lixo organizado em praticamente nenhum estado. Cada rua varre o seu e lança-lhe o fogo ao raiar do dia. Junte-se-lhe a poluição constante dos escapes.
Tudo isto convive, em Delhi, Bombaim e outras grandes cidades, com centros comerciais parolos, ainda mais parolos que os nossos, onde os preços das etiquetas aparecem em euros e dólares e são os que se praticam na Europa e Estados Unidos. O poder económico e o poder de compra anda lado a lado com os milhares de cães sarnentos e maltratados, mais os ratos que se vêm nas cozinhas dos “hotéis”, nas ruas, nas estações de comboio.
Tudo isto é uma experiência visceral, de constante auto-superação. É imperioso para um estrangeiro fazer um esforço para não ver, para não sentir, mecanismo de defesa essencial, mas para evitar o contacto visual com um deficiente que parece uma aranha, não um homem, tal a deformação do seus membros, olha para o lado e tem uma garota a agarrar-lhe o braço pedindo esmola para um irmão que tem um olho de fora. É cega, pede para ele e para ela.
Assim sendo, porque é que se vem à Índia?
Porque há tanta gente a gostar disto afinal?
Não gostam. Não é essa a palavra.
Não reconheço a Índia que vi em 2007, e muito menos em 2002 e 2001.
Tudo muda.
Mas há nesta viagem, e sempre haverá, uma experimentação do lado mais humano da vida, porque tudo à nossa volta é sobrevivência, luta e coragem.
A criatividade é sem limites, pois convive-se segundo a segundo com o insólito, o inusitado.
Escolher a Índia rural, ir para o sul, ou o Norte de montanhas pode ser a melhor ideia para escapar (que significa ver menos) a este bombardeamento de condições dificílimas de vida.
Mas a Índia real é a Índia que mostra quase tudo. Tudo o que se queira ver. Tudo o que tenhamos coragem para ver.
E no final, não sei porquê, o coração começa a bater com mais força.
















Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Perahera - encontrar o maior festival do Sri Lanka

SEE BELOW FOR THE ENGLISH VERSION


Perahera Em Kandy é considerado o maior espectáculo e demonstração cultural do país, mas a versão indiscutivelmente menor que me tocou na zona de Aluthgama (talvez um vigésimo da sua dimensão)já deixa uma bela impressão. Sendo um festival budista que celebra o primeiro ensinamento de Buda depois da Iluminação, exibe em procissão uma das suas relíquias. Relaciona-se também com uma outra procissão em tempos considerada essencial para chamar a chuva. Os primeiros rapazes trazem longas cordas castanhas, são chicotes mas mais fazem lembrar um peludo animal comprido. A forma como o projectam no ar produz um som tremendo - sem nos bater, o som chicoteia. Uma vez que não guardam grande distância entre si, não é compreensível como conseguem não se maltratar uns aos outros ou mesmo a assistência acotovelando-se para os ver. Depois desta abertura surge o primeiro elefante. Vestem-no com uma indumentária carregada de electricidade, com luzes ocupando toda a sua cab…

A Cratera de Pinatubo - Filipinas

(English version below)
A subida à cratera Pinatubo consistiu em duas partes perfeitamente distintas.
Fizemo-nos à estrada ainda de noite, às cinco. Montados no jipe, aguardava-me a viagem mais dura num 4x4 de que tenho memória.
Deixa-se o alcatrão e as facilidades da vila de Botolan para se mergulhar numa extensão de areia cinzenta. O veículo cambaleava, e com ele os corpos, como bonecos. Logo de seguida, sem aviso, o piso torna-se tão pedregoso que é como se os pneus nos bombardeassem.
Ora bem, até aqui, foi divertido.
Chegou o rio, muito largo mas com pouca profundidade. Uns aldeões acabavam de o atravessar com um potente búfalo e carroça. O condutor pediu-lhes instruções – garantindo-nos portanto que ele não tinha certeza do que fazia. A ofensiva ao rio aconteceu a alta velocidade. Água espirrou por todo o lado, para dentro do jipe e das nossas coisas, mas isso por enquanto são tudo danos colaterais.
Quando, em terra firme, a velocidade aumentou, todos os passageiros deram um sal…

Ser indiana num país como a Índia

Arambol é uma praia no norte de Goa onde confluem pessoas do mundo inteiro. Nos últimos tempos a procura é maioritariamente russa, o que tem trazido uma fama diferente a Goa, nunca a melhorar, devido a desacatos e episódios violentos.Aqui, de dia e de noite, as pessoas passeiam-se sem pressas, parece um parque de diversões para personagens inverosímeis. O mexicano com problemas de álcool, o jovem casal português do Cacém que depois de ter emigrado 10 anos em Inglaterra, decididos a voltar a Lisboa, deixam-se ficar mês e meio para evitar o Inverno, o consultor de imagem de um importante político russo que faz oposição a Putin, um casal de ingleses acima dos 50 que se perdeu no tempo e nas drogas, a sueca atraente e atiradiça que se divorciou há menos de um ano e não esconde que procura sexo ocasional, uma jovem grávida de seis meses com o seu companheiro, ambos nórdicos, sem medo de nada, ou o argentino atormentado, arquitecto de hospitais, que anda há ano e meio a viajar porque carreg…